08 setembro 2008

O problema de Portas não é ter deixado de existir...é que os outros já aceitaram que ele não existe

Muitas vezes em política, não é necessário lutar contra os adversários. É preciso apenas esperar que eles bebam a sua própria cicuta. De partido político, o CDS transformou-se num clube de amigos....daqueles que vão ao domingo à noite ao cinema e depois fazem apaixonados textos de crítica cinematográfica para distribuir pelos amigos. O CDS está morto. Pouco a pouco os burocratas estatutários foram afastando os valores que o CDS tinha. Saíram a Maria José, o José, o Luís e tantas outras pessoas, que se fartaram. Simplesmente acharam que aquele peditório se estava a parecer demasiadamente com o dos alegados Bombeiros de Linda-a-Velha ali para os lados dos semáforos do Hospital Santa Maria. Por muito vazia que seja a política dos dias de hoje, ela tem que ter conteúdo, ideias e valores. E isso é algo que o CDS deixou de ter. E eu deixei de ter pena. O CDS hoje não é nada. Primeiro foi projecto democrata-cristão, e pouco a pouco foi-se transformando num veículo ideológico conveniente aos interesses individuais de quem por lá passava. E isso, meus amigos, não é política...é interesse. RIP CDS


P.S.: a morte do CDS, que irá ser consumada nas próximas eleições, e os maus resultados prováveis do PSD (mau resultado é qualquer tipo de derrota!) vão fazer surgir um espaço de oportunidade para um novo e verdadeiro projecto de Direita moderna e renovadora em Portugal....uma espécie de RPR versão lusa. Partido novo para o qual deixo desde já a minha disponibilidade para colaborar, e uma sugestão de nome: Renovação de Direita

1 comentário:

RESSACA ® disse...

Pedindo antecipadas desculpas pela “invasão” e alguma usurpação de espaço, gostaríamos de deixar o convite para uma visita a este Espaço que irá agitar as águas da Passividade Portuguesa...