16 agosto 2006

Ainda a campanha de prevenção rodoviária

1. Uma mulher, de nacionalidade portuguesa, despistou-se. O carro captou, várias vezes. Morreu numa auto-estrada espanhola. Estava grávida de oito meses e após a rápida intervenção dos médicos a criança nasceu, apenas, com alguns problemas respiratórios.

2. Uma mulher grávida, de nacionalidade norte americana, despistou-se. O carro embateu nos separadores centrais de uma auto-estrada californiana. Partiu uma perna. Estava grávida de nove meses. A criança nasceu ainda antes da mãe ser desencarcerada.

Faz sentido apavorar as criancinhas com o medo dos aviões? Faltam casos dramáticos para sensibilizar os paizinhos quanto ao pé no acelerador?

2 comentários:

Sentado na Lua disse...

Sobre esta campanha penso que já tudo foi dito pois até os responsáveis da Prevenção Rodoviária já afirmaram que os números de crianças vitimas estão errados. Só a cegueira de alguns dirigentes permite que continue no ar...

Anónimo disse...

Keep up the good work
lesbian sex Cobra radar detector xrs 9700