17 outubro 2005

OE2006: Primeiras novidades

Governo revê em baixa previsão crescimento para 1,1% no próximo ano

Acabado de tirar da Lusa

"
A economia portuguesa deverá crescer 1,1 por cento no próximo ano, menos do que o inicialmente previsto pelo Governo, mas o dobro do estimado para 2005, segundo a proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2006, hoje divulgada. Este ritmo de crescimento agora previsto é inferior em 0,3 pontos percentuais à estimativa incluída no Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC), apresentado em Junho.
Este ano, a riqueza produzida em Portugal deverá aumentar 0,5 por cento, face a 2004, o que também representa uma redução de 0,3 pontos percentuais relativamente ao previsto no PEC e igual a última projecção feita pelo Banco de Portugal.
O motor do crescimento da economia portuguesa deverá ser as exportações, que se estima aumentem 5,7 por cento, em relação a 2005, enquanto as importações deverão evoluir a um ritmo mais baixo de 4,2 por cento.
O consumo privado deverá crescer 1,3 por cento, ao mesmo tempo que o consumo público deverá cair também 1,3 por cento, estimando-se que a expansão da procura interna se limite a 0,9 por cento. O investimento deverá aumentar apenas 1,7 por cento.
"

2 comentários:

Anónimo disse...

Blogging 101--Web logs go to school
As a middle-school teacher, Clarence Fisher is used to spending some time each evening grading papers and reviewing lesson plans.
Greetings! you have a worthy blog here. I'll be back to see how things develop.
Try make money site/blog. Pretty much covers make money related stuff.

Anónimo disse...

Finalmente um Orçamento do Estado (para 2006) transparente, sem truques, sem trapaceirice e sem desorçamentação. Uma apresentação brilhante do ministro das Finanças, hoje à tarde, aos órgãos de comunicação social.

O défice das contas públicas este ano já desce de 6,8% para 6,2% do PIB e no próximo ano vai descer para 4,8%. Um trabalho notável.

Finalmente o Estado vai emagrecer. E tudo baseado num preço do petróleo de cerca de 66 dólares por barril. Trata-se portanto de um orçamento credível, que devolve a esperança aos portugueses.

E é assim, com a prata da casa e sem consultorias milionárias que este governo e este ministro trabalham e bem.

Finalmente Portugal tem um rumo e um Governo credível!